quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Apenas palavras...

Sentimentos não cabem nas palavras. Porém é impossível não admirar o esforço que estas fazem na esperança de traduzi-los! E o que seria dos sentimentos se não houvesse as palavras, afinal? Fico a pensar que talvez nem fossem tão intensos quanto são...
E também me parece que são as palavras, quando ditas (ou mesmo escritas), que tem o poder de fazer tudo acontecer. Tem o poder de emocionar, de iludir, de fazer viver ou de fazer morrer. Está tudo ali. Está tudo aqui. Com palavras, aquilo que está distante pode se tornar próximo, quase palpável; mas pode ocorrer o inverso também.
E pode ser que as palavras não ditas falem mais do que as ditas. Esta é uma antítese interessante: o silêncio das palavras grita!
Falamos as palavras, as ouvimos e as vivemos. E vivemos intensamente cada vírgula colocada no texto, ou esquecida, ou mal colocada intencionalmente. Nos equivocamos diversas vezes por nos perdermos em alguns de seus significados, mas nem é culpa nossa. A culpa, em última instância, será delas. Ambíguas palavras.
Não importa se falamos com mãos, boca, olhos ou coração. Se pararmos para pensar, elas estarão lá, ainda que apenas em nossas mentes, aguardando uma oportunidade para serem libertadas. Esperando por tornar nossas vidas melhores ou piores. Afinal de contas, elas sempre produzirão algum efeito. Sempre tem uma missão, para o bem ou para o mal.
Mas ainda resta uma questão a ser respondida: falarão as imagens mais que as palavras? Ah, embora possamos pensar que sim, prefiro pensar que as imagens apenas falarão palavras a mais. É algo semelhante ao que acontece aos sentimentos - basta um deles para que fiquemos cheio delas e de seus infinitos significados.
Quem tiver ouvidos para ouvir, ouça. Quem tiver olhos para ler, leia...