sexta-feira, 29 de maio de 2009

De mim, prá mim mesmo


Escrever para o blog é uma tarefa um tanto solitária para mim. Nesta tarefa eu acho que me enquadro entre aquelas pessoas que não tem a menor ‘pretensão de acontecer’, como diz a canção. Simplesmente tive um insight, e achei que deveria colocar idéias no papel (ou melhor, no computador). Mas encaro o blog como uma atividade de lazer. É como se eu estivesse citando e afirmando coisas para mim mesmo, além de postar umas coisas que vejo aqui e ali e que me interessam. Até porque, se eu tivesse a pretensão de aparecer, não usaria expressões como ‘acho’ e ‘coisas para mim mesmo’, né. Havia outras formas de me expressar? Claro que sim, mas a gente vive em um mundo sem tempo, então a forma que vejo para extravasar o que penso é aqui. Sinceramente nunca acho nada do que faço bom (como já disse outra vez, sou chato). Mas enfim, isso aqui é um pedaço da minha mente; às vezes vazia, às vezes não; ora cansada, ora mais cansada ainda (putz, pior que é verdade). É uma pequena compilação ou amostra grátis de mim, prá mim mesmo.

Conhece-te a ti mesmo!

Não é o que uma pessoa pensa ou fala que a define, mas sim suas atitudes. Experimente pedir para outra pessoa descrevê-lo com sinceridade, e poderá vir a ficar surpreso com a resposta. Alguns podem até vir a dizer: ”- Eu nem sou assim!”, porém a mais dura verdade é que somos aquilo que os outros vêem que nós somos, e não aquilo que pensamos que somos.

Se não me engano era no templo de Apolo que havia uma inscrição que dizia “conhece-te a ti mesmo”, e que acabou se tornando o lema de Sócrates (o filósofo, não o jogador de futebol). Redundâncias pleonásticas viciosas à parte, é realmente necessário conhecer-se a si mesmo (ou conhecer-se e conhecer a si mesmo). Quem não se conhece não está apto a conhecer os outros. Mas como fazer isso? Como saber ao certo quem eu sou, quais os meus defeitos e minhas virtudes? Acredito que a melhor resposta é conversando com outras pessoas. Quando expomo-nos às outras pessoas, acabamos conhecendo mais sobre nós mesmos. Funciona como um espelho, eu jogo minha imagem na outra pessoa e em troca consigo me ver melhor.

Em contrapartida, a falsidade funciona como uma lente côncava ou convexa funciona em um espelho, ela distorce nossa imagem. E não apenas perante os outros, e sim perante nós mesmos. Tive um colega de trabalho que usava a expressão “o importante não é SER ‘x’, e sim PARECER ‘x’”, sendo ‘x’ substituído por qualquer coisa que você queira parecer, como honesto, companheiro, legal, sincero, e por aí vai... Este é o lema dos falsos. As pessoas falsas se escondem atrás de uma imagem delas mesmas que elas imaginam que os outros aprovarão. Se meu amigo gosta de cachorro, então não vou dizer que não gosto, assim essa pessoa gostará mais de mim. Quando escuto uma piada sem graça, dou risada mesmo assim, assim o outro gostará mais de mim... (Penso que isso é muito comum em jovens casais de namorados.)

Mas essa falsidade toda tem um preço: a infelicidade. Não é possível ser feliz em um relacionamento sendo assim. É um suicídio de si próprio (isso sim é uma redundância de respeito!). Isso se aplica a qualquer relacionamento.

Pode ser cômodo fazer com que as outras pessoas gostem da gente, mas é muito mais confortável saber que quem gosta de você faz isso por aquilo que você é, e não pelo que gostaria de ser. Faz bem para a alma.

Porém, como tudo na vida, há o bônus e o ônus. Depois que resolvi transformar os outros em espelhos, percebi o quanto sou chato. Bem, pelo menos eu sei que sou assim, e meus amigos também, então minhas crises de chatice não vão soar estranhas para eles como soariam se eu tentasse ser sempre aquilo que não sou: uma pessoa 100% feliz, sem problemas ou preocupações, e que encara tudo numa boa. E eu nem queria ser assim mesmo...

quarta-feira, 27 de maio de 2009

Sofrível!!!!


Não foi do jeito que eu queria, e foi muito menos que eu imaginava. Em outras palavras, foi sofrível. Sem contar os muitos lances bizarros e nunca vistos no futebol mundial. Estou me referindo ao jogo do Grêmio contra o Caracas da Venezuela nesta quarta.

Para começar a história, o juiz, como de costume, não marcava qualquer falta. Parece que estes juízes da Libertadores insistem em ver sangue ou algum membro decepado prá marcar uma falta. Depois, ainda teve o lance do gol do Caracas no início do jogo, se não me engano aos 2 min do 1º tempo. O jogo nem tinha bem começado, e o meu Grêmio já estava ferrado.

O campo também deu show! a bola não rolava, ela ricocheteava nos buracos, e a maior parte do jogo foi balão prá cá, chutão prá lá. Parecia que nada dava certo para o Grêmio, até que, por volta dos 30 min. do 2º tempo, Tcheco colocou com a mão cruzou uma bola para o pereba jogador Fábio Santos marcar de cabeça. Resultado: 1 x 1. Agora cabe ao Grêmio massacrar o Caracas em Porto Alegre, o que acredito que vai acontecer.

Observação: Se o Grêmio jogar como jogou nesta quarta (o que duvido muito), não conseguirá passar da semifinal.

Gol do Título: Na minha opinião hoje pode ter sido marcado o gol do título desta edição da Libertadores. Pode ter sido o do Grêmio, ao conquistar o empate, ou o do São Paulo, que agora decide em casa dependendo de uma vitória simples sobre o Cruzeiro, ou do próprio Cruzeiro, ao bater o São Paulo e depender de um empate no jogo de volta. Só sei que do Caracas é que não foi.

Pereba: Em que pese nenhum dos jogadores do Grêmio tenha se destacado, um deles merece especial atenção: o lateral esquerdo Fábio Santos. Não sabe marcar, não sabe cruzar, não sabe passar... mereceria o prêmio de pior jogador da rodada, mas fez o gol do empate. E ainda que mais da metade (e eu arriscaria 90%) do gol dele se deva ao cruzamento perfeito do meio-campista Tcheco, ele foi o ‘homem-gol’ gremista hoje. Quem disse que o futebol é um jogo justo?

Lance Bizarro: Depois do gol de empate do Grêmio, o sistema a de irrigação da grama do estádio foi ativado. Sabe aqueles esguichos que as pessoas têm no quintal de casa para molhar a grama? Imagine agora que, no meio do jogo (meio não, 30 do 2º tempo) uma meia dúzia daquelas válvulas apareceram em meio a grama e começaram a jorrar água prá todo lado. Disso eu nunca tinha visto. E o narrador da Globo ainda insistia em chamar aquilo de sistema de drenagem. Que eu saiba drenagem é para tirar água, não para colocar mais!

Foto: Fábio Santos comemora seu gol - Viva Tcheco!!!

Grêmio


Fazia tempo que não escrevia nada sobe o Grêmio, mas, como é o meu time do coração, não tem como ficar quieto muito tempo.
A Libertadores começa hoje para o Tricolor. Apesar de muita gente dizer em alto e bom som que o Caracas é um adversário fraco, ele eliminou o Deportivo Cuenca ganhando em casa (onde o Grêmio joga hoje) por 4 a 0. Este fato não pode deixar de ser levado em conta, até porque o tal Deportivo foi o único a vencer o Boca (que graças a Deus foi eliminado) na fase de grupos.
Na minha opinião, não vai ser um jogo fácil. Será o primeiro teste de verdade da competição. Fora de casa, estádio lotado... mas eu confio no meu time, e estarei torcendo.
Espero retornar com boas notícias...

Jogadores do Caracas (comemorem enquanto podem...)


Hope Sandoval (não é a Mallu!!)

Quem nunca escutou Mallu Magalhães? Ela é simplesmente um fenômeno na internet, já apareceu no Fantástico, já teve especiais no Multishow e é um pop. Mas o vídeo que postei aqui não é dela, e sim de uma cantora chamada Hope Sandoval. O som é inebriante, e a voz dela é perfeita. Imagine uma Mallu mais suave e com uma voz ligeiramente menos aguda e sem tantos exageros. Imaginou?
Pois é, então solte o som e apreveite a viajem.
Uma observação: quando a Mallu nasceu, Hope Sandoval já cantava. Então, ela teve em quem se inspirar...


Para saber mais:




terça-feira, 26 de maio de 2009

Enquanto isso, na sala de justiça...

Vi no Esculacho e Simpatia.

Google Crome - Download


Que tal ter um navegador com muito mais espaço para visualizar suas páginas preferidas na internet? Sem aquelas várias barras de menus e ferramentas de busca integradas que acabam ocupando um bom espaço no seu monitor? Isto é possível com o Google Crome.

Quer fazer uma busca através do Google? Basta digitar sua busca na própria barra de endereços, que o navegador faz isso para você! Rápido e fácil. As configurações estão disponíveis em dois pequenos botões ao lado da barra de endereços.

Navegue sem deixar vestígios: O Google Crome possui um modo de navegação anônimo. Quando selecionado, não fica registrado o histórico de onde você passou, ideal para quem usa o computador de um amigo de vez em quando, ou páginas pornográficas inconvenientes também.

Além disso, na página inicial do navegador ficam registradas as páginas que você mais acessou ultimamente, poupando tempo na hora de ver seus sites preferidos, já que eles estão a um clique de distância.

O download é gratuito, em português do Brasil e diretamente da fonte. Se você quer experimentar algo diferente e não conhece o Crome ainda, vale a pena dar uma chance a ele...

Clique aqui para acessar a página de download

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Mulher com Melhor Físico do Mundo


Felicidade existe?

Eu não sei se existe ou não a felicidade. Eu já não sei mais o que existe e o que não existe. Existe, e isso eu sei, um ponto onde tudo se confunde em mim, e isto não é bom ou mau, porque quando as coisas se confundem, podem vir a fundir coisas novas, e estas podem ser boas. Ou não. É... aí eu já não sei mais.

Procurei no dicionário, popular ‘amansa-burro’, o significado da felicidade; e o que encontrei? - Felicidade é um estado de feliz. Ou seja, encontrei mais perguntas do que respostas. Que coisa louca, parece que voltei aos tempos de criança, quando queria saber o porquê de tudo. Insano...

Mas a vida é mesmo uma gangorra feita de momentos; uma hora você está em cima, e outra hora embaixo; ora feliz, ora triste. E quer saber, é bom estar em baixo! Quando você está embaixo, é sinal de que conseguiu fazer alguém ficar lá em cima, e isso é bom. Tem gente que prefere ficar em cima, mas eu não sou assim. Alguns chamam isso de melancolia, eu prefiro pensar que é um bem maior, tipo uma boa ação; um sentimento sublime (sublime... outra palavra deveras interessante).

Mas felicidade definitivamente não é estar por cima, assim como infelicidade não é estar sempre embaixo. É preciso aproveitar o melhor dos dois mundos, e saber viver.

Outra anotação interessante é que se não existir a felicidade, então não há de existir a infelicidade, ou a vida pode ser uma eterna insanidade. É; neste caso vou ficar com a terceira opção...

Qualidade do Ensino Brasileiro II


Clique na imagem para ampliar (mas tem que ter coragem para ver um negócio desses). Não sei se choro ou dou risada...

...

Quem já leu o que escrevo, deve ter percebido que adoro reticências (apesar de parênteses também serem interessantes)...

É que me parece que quando usamos reticências, há algo mais a dizer que não foi dito, algo escondido que não foi revelado, e é assim que eu me sinto. Por isso das reticências (sem desmerecer os parênteses).

Prefiro deliberar sobre as pontuações da vida a viver um infindável período desconexo. Sabe aquela frase que você não sabe quando vai terminar e que te deixa sem fôlego tentando chegar ao final sem saber se vai ou não ter ar suficiente no pulmão? Pois é bem aí que entra a tal da pontuação.

Triste de quem não sabe usar pontos finais ou vírgulas no lugar certo, porque assim não sabe onde parar; e penso que este texto já deu o que tinha que dar...

domingo, 24 de maio de 2009

Dançando no Poste

(Tirem as crianças da sala!!!)
Sabiam que existe um campeonato de dança no poste? Nem eu!!! Mas acho que poderia ser promovida a esporte olímpico!!!!! As imagens não mentem!


Celular do Futuro

Quando inventarem um celular assim, compro na hora!!!! Isto é o que eu chamo de REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA!!!!!


Pregando a Briba

Se é verdade não sei, mas que é muito engraçado é...
Mistura e confunde um pouco as coisas, mas o interessante mesmo é a dicção do sujeito.


O Fogo do Amor

Sempre gostei do fogo. Aprendi na pele a verdade do famoso provérbio que reza a máxima de que quem brinca com fogo acaba queimado. Mas o fogo é fascinante. Ele queima hipnoticamente e aleatoriamente. As labaredas nunca são iguais; cada uma possui identidade e vida próprias. Aparentemente herdei este gosto de meus ancestrais, pois como nos primórdios não havia televisão, ao chegar cansado de um dia de caça, após vencer várias feras e intempéries para ganhar o sustento de cada dia, o homem fazia o fogo e sentava-se à frente dele apenas a contemplá-lo, sem nada dizer ou pensar. Certa vez admirando o fogo entendi a metáfora da paixão e do amor. A paixão é aquele fogo que pega na palha seca, e, como se fosse gasolina, logo explode e se consome em questão de segundos. Não há fogo comparável em potência. Não é assim o amor. O amor é mais delicado. É aquela chama que vagarosamente vai lambendo a madeira que, pouco a pouco, vai se rendendo a ele e brandamente vai se consumindo, mas não morre como o fogo da palha; se transforma em brasa que perdura por muito tempo sem que sequer façamos nada. Mas a paixão não deve ser relevada e relegada a um mero fogo de palha, não... pois o fogaréu que a palha produz é o que faz brotar o fogo na lenha, primeiro nas menores, depois nas maiores, até que a fogueira possa atingir proporções imensas. Em seguida, o fogo passa a consumir a lenha, até que as labaredas transformam a madeira em brasa igualmente quente. Com o amor acontece coisa semelhante. Primeiro vem aquela paixão fulminante e furtiva, que nos faz sermos capazes de cometer muitas loucuras sem tamanho. Em seguida a paixão se intensifica e ganha proporções enormes, e nossos sentimentos se sobrepõe à razão. Nesta fase, tudo é lindo na pessoa amada, e ela não possui nenhum defeito que possamos detectar. É então que vem a fase mais complicada: quando as labaredas começam a diminuir. Nossa mente que antes estava completamente dominada pelo fogo da paixão, direcionando todos os nossos pensamentos para a pessoa amada vai sendo invadida por ventos diferentes. Começamos a perder aquele ardor e passamos a perceber que o outro também tem defeitos (e muitos!) assim como eu também tenho. Nesta fase podem acontecer duas coisas com o fogo (e consequentemente conosco): se colocamos lenha boa, vai restar uma brasa forte, que o tempo não consegue apagar com facilidade; ou vai aos poucos se extinguindo, se a lenha que usamos como combustível foi fraca ou insuficiente. Para a sorte dos pirófilos (nem sei se essa palavra existe, mas que é legal é) sempre pode-se consertar as coisas, basta colocar um pouco de palha, soprar um pouco e as labaredas voltam a surgir, então podemos colocar mais lenha na fogueira, para que o fogo pegue de novo.

Fazer fogo não tem mistério, mas requer prática, e umas dicas também são importantes. Eu tenho meus próprios métodos para fazer fogo, ou para fazê-lo pegar quando está quase morrendo – acho que cada um tem. O mais importante é que poucas coisas são mais bonitas que um fogaréu crepitando. Ao menos esta é a minha opinião; ou melhor, minha idéia...

Escrevi este texto a um tempo atrás, num dos meus raros momentos de inspiração. Eu particularmente gostei, mas como sou suspeito para dizer, passo a bola para os leitores se é que eles existem. Se existirem, podem comentar.

Às vezes sim, às vezes não


"Acreditava no amor e não acreditava. Às vezes sim. Às vezes não. É como tudo. Não há grande diferença. É como acordar a sorrir porque se sonhou com o paraíso. Ou acordar a chorar porque se viu o inferno. A vida é mesmo assim. É normal que sim e é normal que não. Nunca se sabe ao certo. Aquilo que se procura nem sempre se encontra. E aquilo que se encontra nem sempre é o que se procura. E às vezes sim e nem vemos. E às vezes não e nem percebemos. Ora parece que sim, ora parece que não. Há um sorriso doce e uma lágrima amarga, e um sorriso triste e uma lágrima de alegria. E o contrário do que é nem sempre é o oposto do que não é. Palmilhamos e tateamos e tentamos adivinhar. Mas o enigma começa depois de o termos resolvido. Caixa chinesa de emoções indecifráveis. Ninguém tem o mapa dos caminhos por fazer. O futuro é o presente à procura de si próprio e o passado são os passos que damos para lá chegar. Mas não se aprende a lição que outros nos podem ensinar. Não se encontra sem perder nem se perde sem encontrar. Acreditava no amor e também não acreditava."
Encontrei este texto em um outro blog, e achei muito bom. O texto inteiro é uma grande antítese... perfeito! No blog ele é assinado por jctp (escrito bem assim mesmo).

sábado, 23 de maio de 2009

Pesadelo de um cão

Entre uma e outra postagem mais séria, procuro colocar alguma coisa legal ou engraçada para dar uma descontraída.
Afinal de contas, já há doses de seriedade suficientes na vida.


sexta-feira, 22 de maio de 2009

Qualidade do Ensino Superior Brasileiro

Hoje fui questionado a respeito da qualidade do ensino de minha faculdade. Atualmente estou cursando Administração a distância na UFRGS – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, e, se tudo der certo, devo me formar no final de 2010.

Mas, bem, avaliar a qualidade de uma instituição de ensino é bem complicado. Para começar, há a questão da modalidade de ensino: EaD. Se você é meio leigo no assunto, precisa saber que as modalidades de EaD são das mais variadas e questionadas do país. Isto porque não se tem a mesma carga horária, estrutura ou formas de avaliação do ensino presencial. A diferença fundamental, na minha opinião, é que enquanto no ensino presencial o estudante é um sujeito passivo de seu aprendizado, no ensino a distância o estudante é o sujeito ativo. Isto é, um estudante passivo vai à sala de aula e passa cerca de 4 horas ouvindo seus professores; no EaD o estudante é obrigado a construir seu conhecimento através de muita leitura, pesquisa, e uma dose de discussão com colegas e professores em chats e fóruns que tem por finalidade averiguar se o aluno realmente entendeu o assunto. O duro é que só vai ter nota se fizer apontamentos que denotem o domínio do assunto, coisa que no ensino presencial só se pode verificar na hora da prova, e aí, se o aluno colar, lá se vai o ensino por água abaixo.

No geral, a educação a distância requer que o aluno tenha um nível de maturidade e comprometimento com o aprendizado maior que o presencial, porque é necessário mais disciplina e responsabilidade.

Para terminar, a qualidade das instituições de ensino deve ser levada em conta, e esta é medida pelo IGC – índice geral de cursos, que é um novo indicador criado pelo MEC. No ano passado, as federais dominaram o ranking (nove das 10 primeiras colocadas são federais), e folgo em saber que a minha faculdade, a UFRGS, ocupa o quarto lugar (clique na imagem ou AQUI para ampliá-la).

E obrigado pelos questionamentos, sou fã nº 1 da atitude crítica! J

Abraço e até mais!


Comerciais Engraçados

Só para descontrair...


Mundo Egoísta

Estou inclinado a aderir a uma corrente ideológica que afirma que o altruísmo não existe.

Na verdade, esta é uma reflexão minha de muito tempo, que, sempre latente, vem e vai em ondas. Minhas opiniões constroem-se assim: em ondas; e na verdade não tenho opinião formada sobre a maioria das coisas. E, mesmo aqueles assuntos sobre os quais tenho opinião formada, esta opinião não é estática (com ressalvas para religião, política e futebol é claro).

Bem, mas seguindo com o assunto...

Hoje construí um pouco mais meus pensamentos a respeito do egoísmo. Para você ter uma idéia, cheguei a dizer para a psicóloga (sim, eu sou louco) que ter filhos é uma ato predominantemente egoísta (dá pra crer?!). Explicando: não consigo imaginar uma razão altruísta para se ter filhos. Em outras palavras: como pode ser um ato de altruísmo trazer alguém a um mundo tão podre, corrompido, cheio de guerras e de doenças, repleto de vícios e vicissitudes, onde o sofrimento é certo e a felicidade é rara. Acho que uma ressalva pode ser feita à adoção. Quem adota pode até estar satisfazendo um desejo egoísta de ter alguém a quem amar como pai ou mãe, mas está sendo altruísta também escolhendo alguém para amar e para dar a oportunidade de um mundo melhor, ou menos pior.

Voltando ao assunto: o egoísmo está arraigado nas pessoas, apesar da maioria delas nem perceber isso. Quando vamos à Igreja, fazemos isso por dois motivos, ou para nos sentirmos melhores, ou para termos chances de irmos para o céu ou coisa que o valha. Quando ajudamos outrem, o fazemos pelo sentimento de sermos bem aceitos por esta pessoa, ou até mesmo para levar alguma vantagem mais tarde (eu tive um amigo que era bem assim). Dá pra não chamar isso de egoísmo? Não dá prá negar, estamos na sociedade do EU. Se alguém me sorri, EU sou bonito, querido, as pessoas gostam de mim, se alguém me olha meio torto, EU sinto-me odiado, invejado, repudiado. A pessoa mais importante do mundo sou EU, e apenas os MEUS problemas são relevantes.

É fácil reconhecer pessoas assim, geralmente quando você partilha alguma experiência pessoal com elas, a primeira atitude delas não é ouvir e compreender, mas é dizer algo do tipo ‘ah, isso já aconteceu comigo’. Talvez muito disso se deva à criação que os pais dão aos filhos hoje em dia, vai saber...

Bem, não quero ser muito prolixo, então por enquanto vou ficando por aqui. Se você conseguiu ler tudo isso, pode ficar à vontade para opinar. Como disse na abertura do blog, o espaço é para isso, idéias e antíteses...

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Animator vs Animation I e II

Um dos vídeos mais bem bolados que vi na web. Fica melhor se for carregado antes de assistir e visualizado em tela cheia.



E este é a sequência do primeiro:


terça-feira, 19 de maio de 2009

Transformers: A Vingança dos Derrotados

Novo comercial de TV de uma das sequências mais esperadas do ano: Transformers 2.
O filme estréia em 24/06.

No filme, Sam (Shia La Beouf) e Mikaela (Megan Fox) estão novamente na mira dos Decepticons, que desta vez precisam do rapaz vivo: ele detém conhecimentos valiosos sobre as origens dos Transformers e sua história ancestral na Terra. Enquanto isso, os militares dos Estados Unidos e uma força internacional juntam-se aos bondosos Autobots para enfrentar os vilões.

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Inclusão digital? Me poupe!

Tenho visto muitas barbaridades na rede, o que me leva a conclusão de que a inclusão digital da maneira como se pretende fazer é burrice. Colocar um computador na mão de alguém despreparado para usá-lo pode gerar conseqüências catastróficas! Para que haja uma efetiva e responsável inclusão digital, é preciso melhorar a educação do povo, e isso requer a ampliação do ensino superior gratuito, que requer melhoras no ensino médio, que requer melhoras no ensino fundamental, que requer vontade política, que requer benefícios econômicos, que normalmente desemboca no desvio de verbas públicas, que sempre termina em pizza e analfabetismo funcional. Ufa! Bem, a seguir cenas dos últimos capítulos da novela que se chama “inclusão digital”...

(se você for corajoso, clique sobre a imagem para ampliar)





Goleiro Japonês

Neste fim de semana foram muitos compromissos, e não deu para escrever muito. A faculdade também toma um tempo danado... Enquanto não surgem novas idéias no blog, divirtam-se com o goleirinho japonês. Só faltou botar a bola pra dentro ele mesmo, mas daí já é coisa do Clemer (saudades do Clemer...).


Spiderman vs Iron Man vs Hulk

O vídeo é muito bom, mas o Homem Aranha é fraquinho... nem saiu na foto!

sexta-feira, 15 de maio de 2009

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Grêmio: Pra cumprir tabela

O Grêmio jogou o jogo de volta das oitavas de final da Libertadores contra o Universidad San Martin “apenas para cumprir tabela”. O jogo foi muito tranqüilo, e o que se viu dentro de campo foi um Grêmio que controlou o jogo praticamente que o tempo todo. Os destaques foram os gols, mas não por motivos óbvios: eles foram marcados por Jonas e Herrera, os campeões em desperdiçar chances na área adversária. Fica a esperança de que tenham finalmente encontrado o caminho das redes nesta Libertadores.

Outro detalhe que me chamou a atenção foi a atuação do árbitro, que, pela segunda vez consecutiva, economizou cartões, e a coisa quase ficou feia. O cartão amarelo quase não foi visto mesmo nos lances mais violentos, como carrinhos por trás, e vermelho então, só quando arrancarem a perna de alguém é que eles vão começar a aparecer.

De mais a mais, o próximo adversário é o Caracas, da Venezuela, que embora seja considerado fraco, meteu 4 a 0 no Deportivo Cuenca, o único time a vencer o poderoso e temido Boca Juniores pela fase de grupos (fato que deu ao Grêmio o primeiro lugar geral).

No jogo do co-irmão Inter, pela Copa do Brasil, uma decepção, aquele time das sucessivas goleadas não compareceu no Maracanã, e quase que o Flamengo leva a melhor, com destaque para duas bolas na trave colorada. E isso que o Flamengo atualmente é reconhecido por não ter ataque.

No resto, deu a lógica, com a vitória do Coríntians, e a virada do Vasco pra cima do Vitória, também pela Copa do Brasil.

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Gripe suina


Agora até o futebol já foi prejudicado pela gripe suína, ou melhor, a gripe A H1N1, como determinou a OMS. Os clubes mexicanos que se classificaram para as oitavas de final da Copa Libertadores tiveram oficializadas as suas desistências. Melhor para o São Paulo e para o Nacional do Uruguai, que já passaram para as quartas de final sem ao menos jogarem.
Eu, que sou gremista, não concordo em absoluto com a decisão da Conmebol, pois privilegia paulistas e uruguaios. Na minha opinião, deveriam ter substituído os times mexicanos pelos próximos 2 que haviam ficado de fora, isso seria muito mais justo para com os outros competidores.

Deixe seu comentário ou crítica!

(imagem: Milton Trajano)

Abertura

Depois de muito refletir, resolvi eu também entrar na era dos blogs. Se você está de passagem, espero que venha a encontrar no futuro alguma coisa interessante.
Penso em expressar neste espaço apenas opiniões, e quem quiser poderá concordar, discordar ou não fazer nada. Acredito que a principal razão deste espaço é mesmo a consciência crítica, ou a falta dela no mundo, então, fique à vontade...
Bem, o blog está postado, agora só falta construí-lo... O duro é achar tempo em meio ao trabalho, faculdade, família e outros compromissos mais. Mas este é o dilema de quase todo mundo nestes dias tão estranhos; é a antítese da idéia: o tempo. 
É, acho que encontrei um nome adequado para o que pretendo fazer aqui, ou melhor, só o tempo dirá!