segunda-feira, 14 de junho de 2010

Entre Vuvuzelas e Jabulanis...


Entre golaços e frangassos que temos visto na Copa do Mundo da África, dois personagens merecem especial destaque: as Vuvuzelas e Jabulanis. Vuvuzela é aquela cornetinha irritante que não paramos de ouvir o tempo todo, em todos os jogos desta Copa. Jabulani é o nome da bola da Copa da África. E são duas ‘novidades’ para nós: as cornetinhas e as bolas com nome próprio. Se bem que as cornetinhas fizeram o maior auê na Copa das Confederações ano passado. Sinceramente, não sei se dou conta de ficar duas horas com aquele som nos ouvidos - o barulho deve ser de enlouquecer. Se não for nesta Copa, a Fifa deve proibir a entrada de vuvuzelas nas próximas copas, pois muitos jogadores tem reclamado que ela impede a comunicação dentro de campo. Como xingar a mãe do jogador adversário se ele nem vai entender? 
Se tivesse vuvuzelas na Copa passada, perigava a França ganhar, pois o Zidane não seria expulso por não escutar os xingamentos pronunciados pelo Materazzi na grande final (sem cabeçada, sem expulsão).
Quem sabe o que poderia acontecer? Como torci pela Itália, fico contente que as malditas cornetinhas irritantes tenham aparecido apenas agora...


Mas, enfim, o que eu considero irritante mesmo não é tanto o som que a corneta produz, mas o som que a palavra produz. Vuvuzela é uma palavra feia pra caramba. É mais feia que encochar a vó no tanque e chamar o vô de corno. Não bastasse isso, os repórteres esportivos não se cansam de flexionar essa palavra, encontrando sempre novos usos e formas para ela. Tem o substantivo (uso mais comum): Vuvuzela. Tem a forma verbal: vuvuzelar/vuvuzelando (já imagino o profissional de telemarketing indo para o estádio: “Nós vamos estar vuvuzelando...”). Tem o adjetivo: vuvuzelado. Aliás, este pode funcionar também como advérbio de modo: “A torcida que canta vuvuzelado!” - ou coisa que o valha... Enfim: afff, eu não suporto mais ouvir falar em vuvuzelês (idioma proveniente do artefato).

Já Jabulani achei legal (embora na frase cacofônica em que a imbuti soe esquisito). Vi dizer que significa celebração em Zulu, e isso apenas engrandece meu apreço pela palavra. Aliás, a bola é muito lindona também, e é certo que vou comprar uma (a miniatura já estou encomendando). Penso que nomes para as bolas é algo que veio para ficar. Já estou pensando até em batizar as minhas! Talvez eu até pesquise o dicionário Zulu (será que tem no Google Tradutor?) para tentar encontrar algo que se encaixe que possa descrevê-las.

Outro ponto que merece atenção nesta Copa do Mundo é o show de imagens. São de babar! Aquelas supercâmeras utilizadas pela geradora de imagens é fantástica! É o futebol como nunca se viu antes. Bem, ao menos eu nunca tinha visto antes. Tem vezes em que me pego de boca aberta. Viva a tecnologia! Viva a Jabulani! Viva a vuvuzela! (Eu posso não gostar, mas se o mundo fosse feito apenas de coisas que gosto, seria extremamente chato.)

Em tempo: não tem tradutor para Zulu no Google. Maldito Google!!!!!