terça-feira, 29 de junho de 2010

[...]

... e às vezes é como uma onda. Estamos no mar da despreocupação, curtindo a água, o sol e a paz. Então percebemos a onda que se aproxima. Nadamos a seu favor, desejando que ela nos leve de volta à praia. Só que ela quebra sobre nós, e entramos num turbilhão que parece que vai nos afogar. Há um curto momento de tensão, e muita adrenalina, até que enfim chegamos em 'terra firme'. Ficamos de pé, ainda um pouco atordoados, mas temos uma nova certeza: na relação homem-mar, algo está diferente...