sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Liberdade?





A liberdade não existe, mas é claro que eu já sabia disso. Apenas que somos livres para escolhermos a prisão na qual seremos trancafiados - isso é o mais próximo da liberdade que ouso acreditar. E não penso mais que a liberdade seja poder fazer o que se quer e quando se quer, essa não passa de uma definição infantil desta palavra. Uma definição que não condiz com a sua grandeza. Liberdade é poder viver um dia de cada vez. É poder ser feliz, triste ou louco. É poder dançar, cantar, pular e correr. É poder sofrer atirado ao chão ou gargalhar das coisas mais bobas que existem. É poder vencer e ser derrotado; viver e morrer a qualquer hora e sem nenhum motivo.
O lado bom? Tudo isso cabe em cada um de nós.