quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

O Caminho


Ainda ontem, enquanto estava perdido em pensamentos, fiz uma constatação. É claro que isso acontece seguidamente; não fazer constatações, mas perder-me em pensamentos vãos. Mas o que eu estava pensando é muitos blogueiros que escrevem sobre si mesmos (a exemplo deste que ora escreve) estão, na verdade, tentando encontrar-se. Falando no meu caso, em particular, percebo que a escrita é uma potente forma de localização. Escrever me ajuda a me situar no mundo. A cada texto que escrevo, é como se eu estivesse marcando pontos - mas não pontos como em um jogo, mas sim pontos em um mapa. Talvez keyframe seja a palavra mais adequada para expressar o que penso a respeito dos meus textos. Se eu ler algum texto que escrevi há tempos atrás, vou constatar - como já me aconteceu - que eu não estou mais naquele momento. Não sou mais aquele retrato que pintei de mim. Mas o fato de ter escrito aquele texto revela o que eu pensava a respeito de algo na época. E aquilo que pensava está de acordo com minhas decisões e meus sentimentos. É a foto - uma imagem do meu interior congelado no tempo. E a melhor parte é que posso olhar e ver quem eu era quando escrevi. Posso encontrar-me com um eu que já não existe. Então, passando a textos posteriores, consigo perceber o movimento. Ora uma simples oscilação, ora uma guinada capaz de atirar um passageiro desavisado pela janela.
A busca, é claro, nunca terminará. Pode acontecer dela ficar mais ou menos importante, mas a caçada a mim mesmo nunca finda. Não há como. Sou (somos) muito mutáveis e inconstantes. Porém, sigo buscando-me e observando-me por dentre múltiplos espelhos, ângulos, iluminações e, por que não dizer, vetores.
Ao menos se eu não puder me encontrar, poderei ao menos ligar alguns pontos para ver o que me aconteceu, tentar encontrar um padrão e acertar onde será o próximo impacto. Se bem que é mais provável que eu esteja ali no sofá, conversando com amigos e tomando uma cerveja bem gelada.
Aceita uma?